Técnicas de Microscopia
     
 

1-Contraste de interferência diferencial (DIC) - o DIC usa filtros polarizadores e prismas para separar e recombinar trajetos de luz dando ao espécime uma aparência tridimensional. O DIC também é chamado de Nomarski, em homenagem ao homem que o inventou. LEIA MAIS

 

2-Contraste de fase - é a melhor técnica para examinar espécimes vivos (como células cultivadas, por exemplo).

Em um microscópio de contraste de fase, a luz é separada pelos anéis anulares na objetiva e pelo condensador. A luz que passa através da parte central do trajeto de luz é recombinada com a luz que se propaga em torno da periferia do espécime. A interferência produzida por esses dois trajetos produz imagens nas quais as estruturas densas aparecem mais escuras do que o fundo.  LEIA MAIS
3-Polarização - o microscópio de luz polarizada usa um polarizador de cada lado do espécime posicionado ortogonalmente, de tal forma que somente a luz que passe através do espécime alcance a ocular. A luz é polarizada em um plano à medida que passa através do primeiro filtro e alcança o espécime. Partes padronizadas ou cristalinas do espécime, com espaçamento regular, giram a luz passando através delas. Uma porção dessa luz que foi girada passa através do segundo filtro de polarização, de modo que essas áreas regularmente espaçadas mostram brilho contra um plano de fundo escuro. 
4-Fluorescência - este tipo de microscópio usa luz de comprimento de onda curto e de alta energia (normalmente ultravioleta) para excitação de elétrons dentro de algumas moléculas no interior do espécime, fazendo com que esses elétrons mudem para órbitas com mais energia. Quando voltam para seus níveis de energia iniciais, emitem luz com menos energia e comprimento de onda maior (geralmente no espectro visível) formando, dessa maneira, a imagem. LEIA MAIS
5-Campo Claro- a luz viaja ao longo do eixo óptico, através da Objetiva em direção à amostra que está sendo observada. A amostra então é vista pela luz que ela reflete. Filtros especiais são utilizados para abrandar a luz e aumentar o contraste.
A microscopia de campo claro é a técnica mais utilizada nas aplicações de semicondutores,
fornecendo a melhor imagem e informação de toda a amostra. É considerado um excelente modo
para se examinar uma superfície polida.

6-Campo escuro - a luz é direcionada para o exterior do cone que a objetiva compreende para iluminar a lâmina obliquamente. Somente a luz que é refletida ou difratada pelas características da amostra entra na objetiva. Assim, a amostra aparece como um fundo preto com as características refletidas ou difratadas aparecendo com brilho.A iluminação de campo escuro aumenta a visibilidade de detalhes que são freqüentemente ignorados pela iluminação de campo claro. Mesmo detalhes estruturais pequenos, que se encontram abaixo do limite de resolução da objetiva, são visíveis com campo escuro (esta maior visibilidade, que é mais parecida com a observação das estrelas mais distantes à noite, não é um aumento na resolução).
A microscopia de campo escuro é uma técnica excelente para uma varredura rápida, com um amplo campo de visão, para partículas, ranhuras ou resíduos químicos.

7-Microscopia Óptica - LEIA MAIS

 

 

 

 

 

 

Feldmann Wild Leitz - Copyright Development by Duo Web Design